quinta-feira, agosto 04, 2011

O poeta e sua dor.

O poeta chora só
sua magoa sua dor
procura outros caminhos
que leve ao lugar que for.

A poesia se entristece
ao ver seu amigo triste
pois a própria solidão
lhe diz você não existe.

segue o poeta a pensar
porque comigo é assim
vejo sorriso no outro
só não os vejo em mim.

Tento ver flores se abrindo
pássaros e seus cantos lindos
as rugas na testa não deixam
ver abrir o meu sorriso.

Mas vou seguindo o destino
que ajudei a traçar
não culpo nada a ninguém
sei  o tempo vai passar.

Bem lá no final do túnel
deve haver uma saída
e poder comemorar
o fato de estar viva,

Terê cordeiro
04/08/2011.



6 comentários:

M@ria disse...

Correndo os ares, na amplidão perdida,
Essa música doce, é a voz, talvez,
Da alma de tudo, celebrando a Vida!

(Olavo Bilac)

Bom dia e o meu carinho...M@ria

Arnoldo Pimentel disse...

Muito lindo seu poema. Sempre haverá um caminho.Beijos

Danielle Martins disse...

A poesia é solidária, o poeta é sempre sensível...
Bjs!

ANGEL disse...

A vida do poeta é ver que cada verso traduz nos fatos simples do cotidiano. Que o olhar de quem lê vibra cada encantamento, assim, Terê, suas emoções por aqui. Parabéns amiga! Obrigada sempre!!

Desde já desejo tudo de bom!

Bjus

Maria disse...

Querida amiga que poema lindo! O poeta consegue escrever o que vai no seu coração, tocando assim a alma de quem o lê.
Bom fim de semana
Beijinhos
Maria

Borboleteando disse...

"Não se arrependa do que lhe fez sorrir, se lhe trouxe felicidade, é porque valeu à pena."

Beijos, ótimo fim de semana