domingo, outubro 14, 2012

Minha nostalgia!


Minha nostalgia!
Nostalgia chega a noite
No silêncio bem devagar
Lembramos os tempos de outrora
A saudade aperta o peito
Sem aviso pega o sujeito
O faz a vida pensar.

há nostalgia ingrata
machuca o meu coração
me pergunto o que fiz
se tenho ou não razão
para sentir-me assim
enfrentando ingratidão.

Mas viver também é nostálgico
Vendo o tempo passando
Nossos sonhos se perdendo
A saudade aumentando
Por entre os dedos os dias se vão
Com os pássaros cantando.

A saudade me atormenta
Mas vivo hoje não ontem
Os dias tristonhos vazios
Faço festa como sonho encantador
Quando tudo terminar
Então nascerá o amor.

Toma esse copo que é teu
Embriaga-te com a solidão
Sem amor serás invisível
Essa é tua gratidão
De mim fizeste uma sombra
Quebrando o meu coração.

Sorrir mentir que é feliz
Não trará felicidade
Chore se necessário
Arranque do peito a saudade
Só tu poderá vencer
O que te traz maldade.

Terê cordeiro.

4 comentários:

Marcia Melo Morais disse...

Terê sempre me emociona os teus poemas,profundamente na alma,bjos boa semana!

Mery disse...

"Vendo o tempo passando "nossos sonhos se perdendo...
Só tu poderás vencer ..."arranca do peito a saudade***
Embriagada de solidão "é demais!
Muito bonito e real o poema...
# Quantos vivem assim( parece que curtem a tristeza...!
Beijinho de uma amiga q está feliz por você voltar a escrever.
Boa semana pra ti.


Unknown disse...

Quanto tempo eu não vinha aqui!
Hoje meio com o coração triste, lembrei que aqui encontraria algo sentimental, e encontrei!!!

Beijos.

Unknown disse...

Ai Tere, quanto tempo eu não vinha aqui.

Hoje meio com o coração triste, lembrei-me que aqui encontraria algo que tivesse a ver com o meu sentimento, e encontrei.

Beijos!!!