terça-feira, setembro 18, 2012

Passa!


O tempo que passa.

Meu tempo passa apressado
As vezes nem sinto passar
Como chuva de verão
O canto do sábia
O vento nas goiabeiras
Uma vida sem amar.

Meu coração adoece
Tem febre alta e dor
Os nervos endurecidos
O corpo o desabor
Sabemos bem o motivo
É porque falta um amor.

A vida entristecida chora
Igual criança agitada
O tempo que vai passando
Como se fosse boiada
Meu coração balançando
Querendo ficar na estrada.

Mas o tempo não espera
Teremos que ser ligeiro
Não há tempo de pensar
Em cima de um formigueiro
Vamos  em busca do amor
Ganha quem chega primeiro.
.
Ser moroso não se chega
Onde pede a razão
Precisamos de coragem
Assim nos diz o peão
Nem devagar nem de pressa
Com o tempo não tem conversa
Se quiser ser campeão.

Terê cordeiro.

4 comentários:

Mery disse...

Olá amiga, "quanta saudade de você!
Sou fã daqui e esse poema caiu bem pra mim .
Hoje escrevi uma post q combina com esse belíssimo "poema "...
Ah! o tempo não espera Não!
Vamos em busca do Amor?
É que sou igual a criança agitada, sabes; na verdade eu me deliciei c o poema; É ISSO!
beijinhos bons sonhos. Pazzz!

Diamantino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diamantino disse...

O tempo que passa é muito ingrato para quem não tem pressa

LUCIENE RROQUES disse...

Muito belo e reflexivo poema Tere. O tempo se esvaire sempre e este não podemos conter, mas podemos aproveita-lo em cada segundo. Bom final de semana menina.
Um grande abraço!