sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Vou tentar não gritar.


Estou escrevendo para não gritar.
para não acordar os que dormem felizes.
Os que repousam aconchegados,
Os que se encontram e não se separam.

Os que sonham
um sonho real.

Estou escrevendo para não gritar,
e não afogar o coração num abismo.

Tentar não gritar,
o mesmo que tentar não viver,
Impossível.

As palavras já nascem moribundas
 como se estivessem mortas,
ou mergulhadas num silêncio de pranto.

Vou viver tentando,
não desistir de gritar,
para sobreviver.

Tere Cordeiro.
imagem google.

5 comentários:

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia!
Meio tristinho, mas,gostei!
Apesar q, só tentar, muitas vezes, é apenas para sobrevivência! E para Viver, tem que fazer muitas vezes!
Obrigado pelo carinho da visita!
Boa sexta!
beijos carinhosos!

Arnoldo Pimentel disse...

Um pomea triste como a dor, beijos.

Anete disse...

Um abraço, Tere!
Gostei de conhecer o seu blog e também gosto de poetar...
Deixarei um versículo: "COMO É PRECIOSO O TEU AMOR, Ó DEUS!
OS HOMENS ENCONTRAM REFÚGIO À SOMBRA DAS TUAS ASAS." SL 36.7

Com carinho...

vieira calado disse...

Um poema escrito com a alma!

Beijinho para si!

diamantino disse...

Silêncio!
Do silêncio faço um grito
O corpo todo me dói
Deixai-me chorar um pouco.