sábado, agosto 20, 2011

Silêncio da alma

O silêncio é preciso mas nem tanto
a noite fria chega com ela o pranto
 pessoas recolhem-se em seu canto
o poeta coitado fica ao relento.

Ninguém entende o chorar do poeta
que vem abundante sem ter hora certa
sozinho e nostálgico esse sou eu
relembra vitórias que um dia viveu.

Familia resume na pequena telinha
que ao escrever conta linha a linha
deixando cair uma lagrima sua
com medo que a vida termine na rua.

Esse pobre poeta é grande guerreiro
sonhando encontrar com um mensageiro
trazendo noticias de um mundo melhor
para adoçar vidas ao seu redor.

Mas vem o silêncio trazer novidades
chegadas partidas e muita saudade
as novas noticias o entristeceu
lembrar das doçuras que vida lhe deu.

O poeta fala em seu poeminha
de fatos que afeta sua vida e a minha
vivências passagens que tocam a alma
chegando a noite seu pensar acalma.

Terê Cordeiro
20/08/2011.

6 comentários:

Machado de Carlos disse...

Terê,
Leio teus versos e sinto a ternura em cada um deles. Há muita luz em teus sentimentos e, faço deles os meus próprios sentimentos.
Que bom te ler!
Beijos, amiga!

ANGEL disse...

Querida! Que lindos versos! E em outras palavras, o poeta escreve os sentimentos que vêem do silêncio da alma. Tudo de bom sempre!

Bjosssssss

Silviah Carvalho disse...

Um lindo poema como sempre encontro aqui, você escreve com a força do coração,parabéns, um domingo de paz.

Juju Porcino Loureiro disse...

"Esse pobre poeta é grande guerreiro"
Vc também é guerreira, uma grande guerreira...
Linda poesia. Parabéns!
Beijos

ॐ Shirley ॐ disse...

Muito bonito, Terê. Beijos!

natreis2010 disse...

Belíssimo e de uma delicadeza ímpar ........ adorei ......


Lindo dia .
Beijos.