segunda-feira, maio 30, 2011

Poeta Solitário.

Noite fria solidão
um poeta de plantão
viajando nas estrelas
procurando a quem estender a mão.

O silencio fala tudo
que o poeta quer ouvir
para sua inspiração
que sua mente pode ouvir.

Madrugada e o poeta
ambos amantes da lua
sozinhos a observar
o que se passa na rua.

O amor passa também
enamorando a madrugada
só o pobre do poeta
busca e não encontra nada.

As noites de outono são frias
como quem nunca amou
porém o poeta amigo
jamais as abandonou.

Sou igual ao o poeta
triste e solitário
em todas as noite geladas
estou sempre desacompanhado.

O poeta inconsciente
é muito apaixonado
a madrugada inconsequente
a ele tem desprezado.

Ter~e cordeiro.
30/05/2011.

3 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

A solidão é o habitat do poeta, beijos.

Maria Alice Cerqueira disse...

bom dia,
amiga,
Mesmo na solidão, pode se encontrar a beleza do poeta. mesmo na escuridão pode se ver a luz da alma.
Mesmo no silencio pode se escutar a voz do coração, que nos fala de doação, paz, alegria e felicidade.
abraço fraterno
Maria Alice

Maria disse...

A solidão sempre tocou a alma dos poetas. Lindo poema!
Boa semana
Beijinhos
Maria