quarta-feira, março 30, 2011

Sonetinho Nordestino.


Preciso falar do meu seco sertão
tudo que vi foram folhas no chão
secas queimadas pelo sol tormento
e foram levadas pelo forte vento.

Nascida e criada dentro do roçado
com rosto escuro pelo sol queimado
os pés borbulhavam da terra tão quente
mas era feliz como tua gente.

Nordeste, querido tão longe ficou
a dúvida cruel de quem te deixou
mas não te esqueceu sempre te amou.

Buscando sucesso deixei meu lugar
achando que tudo iria mudar
que a felicidade,fosse me acompanhar


Terê cordeiro.
30/03/2011

2 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Sentimos saudades daquilo que amamos.Lindo poema, beijos.

Mila Lopes disse...

lindo soneto Tere, parabéns...

Bjsss

Mila