quarta-feira, julho 14, 2010

a chuva!


Eu podia, gritar de alegria,
Sorrir de euforia, enquanto sorria,
Poder não podia, porém eu sorria

Sorrir da folia ,que os anjos fazia
Dizer vem comigo, correr pela chuva
Viver pelos campos, cheio de encanto
Vivendo portanto? de entusiasmo.

Mesmo que a chuva, molhe sem molhar,
Os olhos ardentes, de quem quer amar
Amar as pessoas de todos os cantos
Sem perguntar se elas permitem.

Quisera eu, poder me molhar
De chuva querendo meu corpo queimar
Más eu resistia, toda tempestade
Sem ter, nenhuma maldade.

Naquele momento de felicidade
Eu vi os meus sonhos, se realizar.
Mesmo de metade sem eu me importar
Viver na esperança de realizar.

E a chuva molhando meu corpo queimado
Querendo querer,aquele pecado,
Que vem sem pedir
Aos desalentados.


CARINHOSAMENTE TERE. 14/07/2010.

Um comentário:

Amiga disse...

Bom dia Têre!!!!
Que delíiiiiiiiiiiiicia entrar aqui e ler este poema gostoso com esta chuvinha que cai hoje. Ai menina, vc sabe tocar a alma alheia. Parabéns!!!
Beijos e muito Axé

Em tempo deixo oq me tocou profundamente:
"Quisera eu, poder me molhar
De chuva querendo meu corpo queimar
Más eu resistia, toda tempestade
Sem ter, nenhuma maldade."